Rosemberg promove audiência pública para discutir fechamento de Instituto Federal

Publicado: 03 de julho de 2018

RP_IFBA

O deputado estadual Rosemberg Pinto (PT) , em parceria com a bancada do Partido dos Trabalhadores na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), realizou na manhã desta terça-feira (3) uma audiência pública para discutir a possibilidade da unificação, e consequentemente, o fechamento, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (Ifba) ou do Instituto Federal (IF) Baiano, em Valença, no Baixo Sul da Bahia.

A audiência – que deveria acontecer semana passada, mas foi transferida para hoje com o objetivo de comparecer mais pessoas – teve o auditório lotado, e contou com a participação de diversos segmentos da sociedade e entidades ligadas à educação.

Rosemberg explicou o motivo da realização do evento: “O problema é que essa decisão não foi ao menos debatida com a comunidade e, sem dúvidas, representa um retrocesso na educação daquela região. Essa audiência pública na Assembleia Legislativa é no sentido de garantir um debate mais eficaz sobre os investimentos da educação aqui na Bahia, independentemente do dinheiro ser do governo do estado ou do governo federal”.

Para a professora Alba do IFBA, o rumor do fechamento de uma das unidades sempre houve, mas nunca passou de boato, contudo, ela foi surpreendida no mês de junho com a informação da unificação das duas unidades e da vistoria do MEC. “O que eu deveria estar fazendo hoje aqui era pedindo investimento, ampliação (das unidades), oportunidades para novos cursos. Mas em vez disso eu venho trazer a informação de que é possível uma extinção”, lamentou a docente.

A falta de diálogo por parte do governo federal, através do MEC, foi uma queixa recorrente na fala de todos os participantes da audiência. O estudante do IF baiano Jean Luca destacou que o MEC não representa a sua classe, já que tomam as decisões de forma imperativa e comprovou isso dizendo que não havia nenhum documento explicando aos alunos qual seria o procedimento adotado pelo órgão federal com a instituição. “Não vamos deixar que o instituto seja destruído. Lá é nossa casa”, pontuou. Seu colega Tobias também partilhou do que, de acordo com ele, está acontecendo é uma falta de respeito com a democracia.

Carlos Magno, representante do Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasete) ressaltou que o processo de reestruturação não irá acontecer. “Não há uma unificação. A ideia da unificação é justamente esconder o processo de desmonte da rede. Se conseguirem fechar uma, vão fechar a segunda. Esse balão de ensaio que está aqui na Bahia, vai levar esse processo desencadeando para todo o país”. Para a diretora do núcleo estadual de educação de Valença, Flordulina, é preciso ampliar o acesso às oportunidades, não reduzir o acesso aos direitos.

Após ser veementemente criticado, o reitor do IFBA, Renato Anunciação, se manifestou: “O IFBA é o único instituto na Bahia – e um dos poucos no Brasil – que tem trabalhado com comunidades de assentamentos. Nos últimos três anos e meio( o instituto) multiplicou em mais de 30% seu número de campus, inclusive a pós-graduação”. Ele alegou que o que estão fazendo é um ato de oportunismo político. Nesse momento, foi vaiado por todo o público presente.

A fala mais comovente foi do diretor do IF Baiano de Valença, Giovani Lima Guimarães: “Lamentavelmente, viemos pedir socorro para que não tenhamos a destruição de uma unidade federal de educação em Valença. Precisamos do apoio político de vocês”, conclamou. Ainda de acordo com o diretor, é mentira que Valença não precisa de dois campus federais. E afirmou que não irá permitir o fechamento da unidade e reforçou que irá onde for preciso para evitar que isso ocorra. Ele esclareceu ainda que não é possível a unificação porque são unidades com características próprias, cada uma delas.

Agora será feita uma carta ao MEC, o mesmo documento também vai ser levado à Comissão de Educação da Alba contendo a íntegra da audiência pública contrário às medidas que o MEC quer tomar. A mesma Comissão deverá convocar tanto o MEC quanto as instituições envolvidas no processo.

O IF Baiano: foi responsável durante 30 anos pelo crescimento econômico e social na região do Baixo Sul. Já o IFBA foi implantado em Valença há 23 anos.

Estiveram presentes o diretor do IF Baiano de Valença, Giovani Lima Guimarães; os representantes dos estudantes Gian Luca – IF Baiano -; professora Alba, do IFBA de Valença; o representante dos professores do IF Baiano, Carlos Magno; o representante dos estudantes do IFBA Osni; o outro estudante Tobias. Um representante do MEC foi convidado, mas não compareceu. Estiveram presentes também o secretário municipal de Valença, Daniel Alves, o vereador de Salvador Hilton Coelho; a professora do município de Governador Mangabeira Manuela Falcon; a diretora do Núcleo Estadual de Educação de Valença, Flordulina.