“Agora é hora de ir para a rua falar o que vamos realizar no governo”, defende Zé Dirceu, em passagem por Salvador

Publicado: 13 de setembro de 2018

Em sua passagem por Salvador para lançar o livro “Memórias”, na noite desta quarta-feira (12), o ex-ministro José Dirceu (PT) convocou todas as forças progressistas na Bahia para irem às ruas defender a candidatura à presidência da República do ex-ministro da Educação do governo Lula, Fernando Haddad (PT), e de Manuela D’Ávila (PCdoB), postulante a vice-presidente.

“É hora de ir para a rua falar o que vamos realizar no governo. (…) O Brasil se identifica com o legado de Lula”, conclamou o petista, ao cravar Haddad no segundo turno do pleito presidencial.

O deputado Rosemberg Pinto (PT), uma das principais lideranças do Partido dos Trabalhadores no estado e candidato a disputar novamente uma das vagas da Assembleia Legislativa, marcou presença no evento, realizado no Centro Cultural da Câmara de Vereadores da capital baiana.

Para uma plateia lotada de militantes e simpatizantes, Dirceu defendeu a inocência de Lula e o restabelecimento da democracia no país.

“Quem governa é o Executivo. Quem fala em nome da nação é o Legislativo. Não o Judiciário, muito menos as Forças Armadas”, afirmou.

“Memórias – Volume I”

Considerado uma das principais lideranças políticas do Brasil nos últimos 50 anos, Dirceu conta no seu livro os bastidores de sua militância estudantil na década de 60, o exílio e o treinamento em Cuba para se tornar guerrilheiro, a vida clandestina no Brasil na década de 70, a volta à legalidade com a anistia, em 1979, e ascensão ao PT, onde se tornou presidente e um dos principais responsáveis pela eleição de Lula à presidência da República.

O político revela ainda segredos dos bastidores da luta política interna do PT e do próprio governo, onde foi chefe da Casa Civil e provável sucessor de Lula, até ser abatido pelas denúncias do “Mensalão”.